By Regina Cohen, Arquiteta, G3ict-Smart Cities for All Country Representative for Brazil

Calçadas são importantes elementos para cidades resilientes, acessíveis a todos e sustentáveis. “AI for Inclusive Urban Sidewalks” é um projeto que emprega levantamento de dados e ferramentas para alcançar mudanças na mobilidade, acessibilidade e vida independente na experiência de pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida em cinco diferentes cidades nas Américas.

Este projeto faz parte de uma cooperação entre a Secretaria Municipal de Pessoas com Deficiência (SMPED) e Secretaria de Mobilidade e Trânsito (SMT) da Cidade de São Paulo (SP), a Iniciativa Global para Tecnologias de Informação e Comunicação Inclusivas (G3ict), e o Centro Taskar para Tecnologia Acessível (TCAT) da Universidade de Washington, com o apoio da Microsoft através de seu Programa de Acessibilidade.

Hoje, para construir uma Cidade Inteligente em SP, precisamos levar em consideração se as calçadas podem ser utilizadas por cidadãos em situação vulnerável. Para melhorar a caminhabilidade na cidade, o aplicativo é desenvolvido, adaptando-se a todas as necessidades: usuários de cadeira de rodas, uma pessoa cega, pessoas com outras deficiências. Esta ferramenta auxiliará todas elas a traçar a rota mais conveniente.

Em um primeiro momento, nossa equipe tinha escolhido cinco áreas a serem mapeadas, considerando o número de pedestres, a concentração de hospitais, escolas, universidades e transporte público. Posteriormente, nós focamos em apenas duas áreas – Lapa e Vila Mariana. Nosso grupo é formado por estudantes universitários, representantes de organizações da sociedade civil, arquitetos, especialistas em acessibilidade, dentre outras pessoas. Estamos mapeando e revendo cruzamentos e calçadas, incluindo rampas, sinais de travessia, inclinação das ruas e barreiras nos percursos. Toda a informação é submetida ao aplicativo online OpenStreetMap.

Para este projeto, utilizamos ferramentas virtuais, criamos parcerias com a academia, a indústria, e a sociedade civil. Eu acredito que apenas compartilhando todo o conhecimento adquirido e nossos resultados, nós poderemos garantir o desenvolvimento de uma cidade inteligente, trabalhando com o que o ser humano tem de mais fundamental – o envolvimento do lado subjetivo e emocional na realização das atividades de sua vida diária em espaços vibrantes.

Como representante do Brasil no G3ict, para divulgar este trabalho, eu apresentei este projeto piloto de Inteligência Artificial para Calçadas Urbanas Inclusivas em SP, onde mapeamos calçadas para melhorar a mobilidade e a caminhabilidade, o que costuma despertar o interesse de profissionais de diferentes técnicas. A ferramenta cria rotas para pedestres, tendo como base suas necessidades. Possui um bom e grande potencial para as Políticas Públicas, garantindo a acessibilidade universal ou para todos. Pessoas com Deficiência geralmente são excluídas do ambiente urbano e do desenvolvimento, não sendo consideradas em uma megalópole como São Paulo. Este projeto piloto inovador auxiliará a melhoria da qualidade de vida e o bem-estar em geral.

Me sinto muito orgulhosa e feliz de fazer parte desta mudança promissora da mobilidade urbana no meu país Brasil.